em Notícias

No dia 20 de junho de 2020 a Sexta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado Rio de Grande do Sul proferiu decisão mantendo sentença de primeira instância que havia reconhecido a ocorrência de plágio, reduzindo, para R$ 6.000,00, o valor de dano moral devido por estudante que plagiou pesquisa científica de uma advogada.

Síntese do Caso:

A Autora propôs a ação judicial acusando a estudante de ter plagiado a sua pesquisa cientifica acerca dos aspectos legais da psicopatia. A pesquisa plagiada foi elaborada e apresentada pela Autora para concretizar o trabalho de conclusão do seu curso de Direito, e foi publicada, no ano de 2012, pela PUC-RS.

Por esses motivos, defendeu o seu direito a ser indenizada por dano moral, bem como requereu a inserção do seu nome nos artigos copiados, para reconhecimento e indicação de sua autoria, conforme assegurado pela a Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98).

A Autora também requereu a condenação das empresas Corrés por terem publicado o trabalho da estudante de forma eletrônica.

Em sua defesa, a estudante acusada alegou que a Autora teria deturpado trechos isolados de seu texto, negando a ocorrência de plágio e indicou, ainda, que a demanda seria abusiva. As Corrés, empresas responsáveis pela publicação do trabalho da estudante, apresentaram defesa e pediram a improcedência da ação, alegando, em síntese, que não possuem qualquer responsabilidade sobre o suposto plágio, vez que a responsabilidade de apresentar um trabalho original era da estudante e, por consequência, não haveria o dever de indenizar.

Ao proferir a sentença, o Magistrado da Terceira Vara Cível da Comarca de Rio Grande/RS deu razão à Autora para condenar a estudante ao pagamento de R$12.000,00 (doze mil reais) à título de dano moral.

A decisão de primeira instância também obrigou a estudante a fazer as devidas citações do nome da Requerente como autora dos trechos reproduzidos nas obras, tanto nos artigos já publicados como em obras futuras que venham a utilizar o texto plagiado, além de condenar as empresas Corrés a interromperem, no prazo de 10 dias, a distribuição e a comunicação ao público da obra plagiadora, sob pena de aplicação de multa diária.

E, após a interposição do recurso de Apelação pela estudante, a Sexta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul deu parcial provimento ao recurso apenas para reduzir o valor indenizatório para R$6.000,00 (seis mil reais), em julgamento ocorrido no dia 20 de junho de 2020. Entretanto, o Tribunal manteve o entendimento e os fundamentos da sentença no que diz respeito ao reconhecimento do plágio, considerando que os autos comprovam que a Ré fez uso indevido de monografia produzida pela Autora, sem autorização e sem a correta menção à sua autoria, tornando-se devida a indenização por danos morais, com base no art. 108 da Lei 9.610/98 (Lei de Direitos Autorais).

 


Referência:
Processo: 0005529-47.2015.8.21.0023
Terceira Vara Cível da Comarca de Rio Grande/RS
Nota: O Recurso de Apelação julgado em 20.06.2020 pela Sexta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul.

Autor

Contact

Welcome! Please write your message here and we will contact you shortly. Thank you!

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar